Política: Maia e o pai são suspeitos de receber R$ 1,4 milhão da Odebrecht, diz PGR

Perícia feita nos sistemas internos da Odebrecht de registro de pagamento de propina mostraram pagamentos no valor de R$ 1,4 milhão a codinomes atribuídos ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao pai dele, o ex-prefeito do Rio e vereador César Maia (DEM).

De acordo com delatores, Rodrigo Maia era “Botafogo” e “Inca” nas planilhas. Já o pai, César Maia, era o “Despota”. As informações são do G1.

Os dados estão no pedido de prorrogação do inquérito por 60 dias, feito na quarta-feira (10) pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Os documentos estão sob análise do relator do caso, ministro Luiz Edson Fachin. Ainda não há prazo para o magistrado decidir sobre a prorrogação.

Conforme Dodge, a perícia apontou ordens de pagamentos no total de R$ 2,050 milhões a pai e filho. No entanto, os pagamentos efetivados seriam de valor menor: R$ 1,4 milhão.

Ainda segundo a PGR, foram identificadas três planilhas, de três delatores da Odebrecht, com relação aos dois.


Comentários

Os comentários estão fechados.