Um detento que cumpria pena em uma penitenciária na cidade de Córdoba, na Argentina, resolveu mudar de nome e se declarar mulher trans. Após alegar a mudança de gênero na justiça, ele ganhou o direito de ser colocado numa prisão feminina. De acordo com a imprensa local, alguns meses depois, uma das detentas ficou grávida após manter relações sexuais com o homem que a pouco tempo passou a se chamar Gabriela.
Ainda segundo os jornais, o caso aconteceu há dois meses, mas o episódio veio a público semana passada, através da história do advogado Juan Gacitúa, no programa argentino “El show de la Mañana”. “A lei é muito mais rápida do que a infraestrutura que o Estado pode fornecer”; disse o advogado com relação ao que aconteceu, uma vez que, segundo ele, houve diversas reclamações de mulheres que se queixaram da presença da autodeclarada prisioneira, na prisão feminina.
“O prisioneiro, Gabriel, mudou seu nome para Gabriela e o Serviço Penitenciário, por ordem de um juiz, transferiu-o da prisão masculina para a prisão feminina”, disse Gacitúa. “Isso é garantido por lei. Foi lá que ele fez contato com as detentas e engravidou uma delas.” Segundo as autoridades, Gabriel havia sido preso por violência contra mulheres e após ter engravidado uma das detentas, um juiz decidiu libertá-lo da prisão. (O Imparcial)

As plataformas do Facebook, incluindo Whatsapp e Instagram, estavam com problemas de funcionamento na manhã desta quarta-feira (3). Entre os principais problemas encontrados pelos usuários estão o envio de mídias, como fotos, vídeos, áudios e figurinhas (no caso do WhatsApp).

As 3 plataformas pertencem ao Facebook.

O Twitter também registrava instabilidade para envio de mensagens privadas.

Em seu perfil no Twitter, o Facebook afirmou no começo desta tarde que “está ciente de que algumas pessoas estão tendo problemas para enviar ou anexar imagens, vídeos e outros arquivos nos aplicativos” da empresa.

“Sentimos muito pelo problema e estamos trabalhando para que tudo volte ao normal o mais rápido possível”. E marcou a hashtag #facebookdown , que está sendo compartilhada pelos usuários que relatam falhas. Esta e as hashtags #instagramdown e #whatsappdown estavam entre os trending topics mundiais do Twitter no começo desta tarde.

A última vez que todas as 3 plataformas do Facebook ficaram instáveis ao mesmo tempo foi no dia 13 de março, quando o problema durou várias horas. Na época, a empresa disse que uma mudança de configuração em servidor causou falha nos aplicativos.

O site Down Detector, que aglomera relatos de consumidores sobre o status de serviços online, teve fortes reclamações sobre as redes sociais do Facebook e também sobre o Twitter.

A maior parte dos usuários que passaram por problemas no WhatsApp estão no Brasil, Argentina, Peru, Colômbia e alguns países da Europa. Já o Facebook e o Instagram tiveram muitas reclamações nos Estados Unidos e também na Europa.


Uma cena chocante marcou a disputa do NCAA gymnastics, campeonato universitário de ginástica artística dos Estados Unidos. Na última sexta-feira (05), a atleta Samantha Cerio quebrou as duas pernas durante uma acrobacia e foi levada às pressas para o hospital. As imagens viralizaram durante o fim de semana. Hoje, a ginasta anunciou o encerramento da carreira.

“Sexta à noite foi a minha última como ginasta. Depois de 18 anos, eu estou pendurando meus colants e deixando o pó de giz para trás. Eu não poderia estar mais orgulhosa da pessoa que a ginástica fez eu me tornar. Me ensinou trabalho árduo, humildade, integridade e dedicação. Ela me deu desafios e obstáculos que eu nunca imaginei que me testariam como pessoa. Pode não ter terminado como planejei, mas nada acontece como planejado”, escreveu Sam em sua conta oficial no Instagram.

O caso aconteceu durante a competição regional de Baton Rouge. A estudante da Universidade de Auburn saltou e, quando foi completar a acrobacia, deslocou os dois joelhos ao mesmo tempo. A jovem imediatamente gritou de dor e fez com que companheiras de equipe e juízes corressem para ajudar.

“Obrigado família Auburn por me dar uma casa e uma chance de continuar fazendo o esporte que sempre será meu primeiro amor. Estou honrada por ter tido o privilégio de representar a Marinha e a AU nos últimos 4 anos com minha equipe ao meu lado. Obrigada por me deixar compartilhar minha paixão com vocês. Obrigada por me deixar fazer parte de algo maior que eu”, finalizou a jovem.

De acordo com o jornal “New York Post”, Cerio deixou o local com as duas pernas imobilizadas e foi levada para o hospital.

“Foi uma cena difícil de ver”, disse o técnico Jeff Graba ao site Nola.com. “Ela é uma guerreira e pediu para que eu ajudasse o restante das meninas no restante da competição.”.


Boa parte do planeta poderá ver na madrugada da próxima segunda, 21, um eclipse lunar completo, com direito a “superlua” O fenômeno estará visível em todo o País, se o céu não estiver nublado, e durará 62 minutos em sua fase total. Mas, para apreciá-lo, será preciso fazer corujão.

Pelo horário de Brasília, a Lua começará a entrar na sombra da Terra à 1h33, mas ficará encoberta totalmente só a partir das 2h41, permanecendo assim até 3h43, quando começa a sair da sombra. Às 4h51 a Lua já estará totalmente iluminada pelo Sol novamente.

LEIA MAIS

Super Lua de sangue

Os eclipses lunares ocorrem quando a Lua penetra no cone de sombra da Terra, o que só pode acontecer na fase de Lua cheia, como explica Paulo Sergio Bretones, doutor em educação em astronomia e professor da Universidade Federal de São Carlos.

“A Terra gira ao redor do Sol num plano. Por exemplo, supondo que o Sol esteja no centro da face superior de uma mesa, a Terra se move em torno do Sol no nível desta superfície. Ao mesmo tempo a Lua gira em torno da Terra, mas o plano de órbita lunar é inclinado um pouco mais de 5º em relação à face da mesa”, ensina.

“Embora a Terra projete sempre a sua sombra não a percebemos porque geralmente a Lua passa acima ou abaixo da sombra. Assim, quando a Lua cruza o plano da órbita da Terra e, além disso, o Sol, a Lua e a Terra ficam alinhados, ocorre um eclipse lunar. A sombra da Terra projetada no espaço se estende em forma cônica por cerca de 1,38 milhão de quilômetros e com um diâmetro de cerca de 9 mil quilômetros na distância onde está a Lua”, complementa o pesquisador


Uma onda de calor que se instalou no Japão, com temperaturas que beiram os 40 graus, causou a morte de dez pessoas na quinta-feira, subindo para 30 o número de falecidos nos últimos dias.

Na última quarta-feira, em algumas áreas do centro do país, a temperatura recorde de 40 graus foi atingida, enquanto hoje o termômetro estava acima dos 35 graus e o calor deve continuar nos próximos dias, segundo informações da Agência Meteorológica do Japão (AMJ).

Até hoje, cerca de 10 mil pessoas tiveram que ser hospitalizadas em todo o país devido a choques térmicos ou outras condições relacionadas com as altas temperaturas, segundo dados das autoridades locais divulgados pela agência japonesa “Kyodo”.

Apenas ontem, equipes de resgate chegaram a responder mais de 3 mil chamadas de emergência, segundo dados do Corpo de Bombeiros da capital japonesa, onde o dia chegou a 40 graus e 317 pessoas foram levadas para hospitais.

Os estudantes que atualmente realizam atividades ao ar livre por diferentes regiões do país também sofrem com as altas temperaturas, e alguns deles tiveram que ser hospitalizados com sintomas de insolação e exaustão.

Na última terça-feira, uma criança de 6 anos faleceu após participar de uma aula ao ar livre em sua escola, obrigando ao Ministério da Educação japonês a pedir para às instituições educacionais que tomem medias para evitar casos semelhantes.

O oeste do Japão, ainda se recuperando das fortes chuvas do início do mês, agora lida com o intenso calor que dificulta os trabalhos de resgate e reconstrução


O papa Francisco disse em entrevista a Eugenio Scalfari, fundador do jornal italiano La Repubblica, que “o inferno não existe; o que existe é o desaparecimento das almas pecadoras”.

“Não existe um inferno em que sofrem as almas dos pecadores por toda a eternidade”, teria dito o pontífice, segundo a reportagem de Scalfari, publicada nesta quinta-feira (29). “Aqueles que não se arrependem e portanto não podem ser perdoados desaparecem.”

O Vaticano, porém, afirmou em comunicado nesta quinta que o papa recebeu Scalfari para um encontro privado, sem conceder entrevista, e que as falas citadas no texto não deveriam ser consideradas “uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre”.

Scalfari, de 93 anos, que é ateu e entrevistou o papa diversas vezes, já disse anteriormente que não grava nem anota suas entrevistas, usando sua memória para recontar as conversas.

Nesta quinta-feira, quando começam as atividades da Páscoa no Vaticano, o papa fará o ritual do lava-pés, na prisão Regina Coeli, em Roma. O pontífice lavará os pés de 12 presos, que incluem católicos, muçulmanos, um cristão ortodoxo e um budista, de nacionalidade italiana, filipina, marroquina, colombiana, nigeriana, leonesa e moldávia.

Mais cedo, em missa, o papa pediu que os padres se aproximem espiritualmente de suas congregações e que não se atenham à lei católica em seus sermões. Francisco disse que os padres podem dizer aos adúlteros que não voltem a pecar, mas que não devem adotar um tom legalista e que devem permitir que os adúlteros olhem para frente e não para trás.


O Estado de Bihar, no norte da Índia, registrou no ano passado 3.404 casos de sequestros de homens solteiros que foram forçados a se casar, segundo os dados da polícia local. Embora seja um problema que geralmente afeta as mulheres, as práticas arcaicas conhecidas como pakadua vivah (rapto para casamento, no idioma local de Bihar) ou jabaria shaadi (matrimônio forçado) também estão muito difundidas quando as vítimas são homens. A pobreza, além de tradições como a do dote que a família da esposa precisa oferecer e a desproporção entre o número de homens e mulheres na população, ampliou esse fenômeno no norte do país.

“A pakdau vivah está descontrolada em Bihar […]. Na maioria dos casos, os casamentos são formalizados sob a mira de um revólver ou mediante ameaças de morte contra o homem e suas famílias”, declarou um oficial da polícia estadual à imprensa local no domingo. Em janeiro, o caso de um engenheiro de Patna, a capital do Estado, chegou às televisões nacionais depois de um vídeo viral. Nele, o rapaz chora desconsoladamente enquanto narra como foi sequestrado por um grupo de homens armados que o obrigaram a se casar, numa cerimônia que já estava preparada antes da sua chegada.

Longe de serem casos isolados, as cifras do Governo de Bihar confirmam uma tendência. Em 2016, 3.070 homens jovens foram alvo da pakadua vivah, e outros 2.500 foram vítimas da mesma tradição em 2014. Uma cifra muito mais elevada em comparação com as 1.337 denúncias registradas em 2009.

Os casos se concentram no leste de Uttar Pradesh, Estado onde fica o famoso Taj Mahal, e, sobretudo, no oeste do vizinho Bihar. As duas regiões têm os piores índices de desenvolvimento socioeconômico da Índia: escassez de infraestrutura, pobreza desenfreada, baixos níveis de alfabetização e corrupção endêmica fazem delas terreno férteis para a perpetuação de problemas sociais como a discriminação por castas e os dotes matrimoniais.

Presos ao subdesenvolvimento, poucos lares podem fazer frente às exorbitantes quantias exigidas pelas famílias dos noivos para aceitar o casamento. Curvados pela pressão de casar suas filhas, as famílias encontram na pakadua vivah o último recurso. A precariedade soma-se à escassez de moças jovens para tantos solteiros.

Há uma semana, um estudo governamental salientava a desigualdade entre o número de homens com relação ao de mulheres na Índia, um país onde os abortos seletivos geraram um desequilíbrio demográfico — o Governo calcula que faltam mais de 63 milhões de mulheres com relação à que seria a tendência natural. Não é de estranhar que sua ausência se concentre nos empobrecidos Estados do norte. Segundo o último censo, de 2011, há apena 751 mulheres para cada 1.000 homens em Bihar, uma das maiores desproporções entre os gêneros no país.

O último relatório do Departamento Nacional de Investigação Criminal, de 2015, corrobora os dados oferecidos pelo Governo estadual. Segundo as estatísticas nacionais, Bihar é o Estado que mais denuncia sequestro de indivíduos do sexo masculino menores de 18 anos. Em 2015, o número de homens de 18 a 30 anos raptados nesse Estado foi de 1.096, o que representa 17% do total de sequestros da Índia.

A polícia de Bihar disse estar especialmente atenta à próxima temporada de casamentos na Índia (lagan), que começa em fevereiro. Este é o mês mais propício para as uniões matrimoniais, conforme estabelece o calendário de superstições hindus para este ano.