A pesquisa Ibope encomendada pela TV Bahia, e divulgada nesta terça-feira (18), aponta um crescimento expressivo do governador Rui Costa (PT), que lidera isoladamente com 60% das intenções de voto. O segundo colocado é Zé Ronaldo (DEM), com 7%. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram ouvidos 1.008 pessoas de 15 a 17 de setembro.

Rui Costa (PT): 60%
José Ronaldo (DEM): 7%
João Henrique (PRTB): 2%
Marcos Mendes (PSOL): 1%
Célia Sacramento (Rede): 1%
João Santana (MDB): 1%
Orlando Andrade (PCO): 1%
Brancos/Nulos: 17%
Não sabe: 10%

O registro no TRE  tem o número 01723/2018. Já o registro no TSE é de 03445/2018. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. Foram entrevistados 1008 eleitores entre ontem e hoje. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos.

Confira o comparativo dos números da pesquisa atual com a divulgada em agosto.

 

 

O desembargador Jefferson Alves de Assis decidiu manter no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) a tramitação da ação penal ajuizada pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) contra José Ronaldo, ex-prefeito de Feira de Santana e candidato ao governo da Bahia pelo DEM, e Constantino Portugal dos Santos, este já falecido. A Procuradoria-Geral de Justiça acusa a dupla de suposta prática de desvio de rendas públicas em proveito próprio ou alheio.

De acordo com a acusação, Zé Ronaldo “teria desviado rendas públicas em favor do correligionário Constantino Portugal dos Santos ao contratá-lo e remunerá-lo como servidor público temporário, sem que este último tenha desempenhado a atividade funcional correspondente junto ao município de Feira de Santana”.

Em seu despacho, o magistrado Jefferson Alves de Assis citou que a denúncia foi recebida por maioria pela Segunda Câmara Criminal do TJ-BA. Ainda segundo o desembargador, a defesa de Zé Ronaldo pediu a inclusão do processo na pauta de julgamento em caráter de urgência.

Instado a se manifestar, o MP-BA deu parecer pela continuidade do processo no TJ-BA mesmo com a saída de Zé Ronaldo do cargo de prefeito. O argumento da procuradoria foi o de que a instrução processual foi finalizada antes de o democrata renunciar ao cargo para disputar o governo da Bahia.

Assim, o desembargador acolheu o parecer e aplicou o novo entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), que estabelece a prorrogação da competência. Jefferson Alves de Assis negou o pedido da defesa do ex-prefeito para incluir a ação na pauta de julgamento em caráter de urgência.

Em nota, o demista afirmou que o processo é referente a um ato administrativo cometido em período anterior à sua gestão. Zé Ronaldo ainda afirmou que o caso é “isolado dentro de um universo de mais de 10 mil funcionários na prefeitura de Feira de Santana. “Sou ficha limpa. Não enriqueci na política. Fui prefeito de Feira quatro vezes e todas as minhas contas sempre foram aprovadas. Esse processo é referente a ato administrativo realizado no período anterior à minha gestão. Uma pessoa declarou-se apta ao trabalho, mas depois se descobriu que era aposentada por invalidez. Ao contrário do PT, que tenta proteger aqueles que cometem atos ilícitos, durante a minha gestão, ao tomar conhecimento de suposta irregularidade, determinei o imediato afastamento dos envolvidos, atuando de forma transparente, enérgica e proba, sempre zelando pela coisa pública, inclusive com a aplicação das punições cabíveis. Trata-se de um caso isolado dentro de um universo de mais de 10 mil funcionários na prefeitura de Feira de Santana, servidores que sempre trabalharam com muita dedicação e eficiência em prol da comunidade feirense.”

O candidato ainda confirma que solicitou a inclusão da pauta em caráter de urgência e atacou, mais uma vez, os petistas. “Inclusive, após apresentamos todas as informações e documentos relacionados ao fato ao Poder Judiciário, formulamos pedido para que ocorra o julgamento da forma mais rápida possível, para que, assim, os culpados sejam punidos e os inocentes devidamente absolvidos, diferentemente dos políticos do PT que se utilizam dos cargos públicos para retardar o julgamento, impedindo que a sociedade saiba quem são os verdadeiros culpados pelos crimes praticados em suas gestões. Todos lembram que recentemente a Polícia Federal chegou a fazer uma operação de busca e apreensão na casa do ex-governador Jaques Wagner atrás de provas. Isso sim merece destaque e é vergonhoso, pois até agora não houve qualquer resposta por parte dos envolvidos. Estou muito tranquilo com relação ao que está sendo apurado pelo Poder Judiciário. Minha história é meu maior patrimônio”.

Em 2014, o MP-BA chegou a pedir a prisão e o afastamento do então prefeito na ação ofertada à Justiça. No entanto, o desembargador relator do caso negou o pleito. Informações à época dão conta de que a fraude causou prejuízo de R$ 10.083,68 ao erário.


O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) lidera as intenções de voto à Presidência na pesquisa CNT/MDA divulgada nesta segunda-feira (17).

O capitão reformado aparece com 28,2% da preferência do eleitorado, seguido por Fernando Haddad (PT), com 17,6%, e Ciro Gomes (PDT), com 10,8%.

O resultado indica crescimento nas intenções de voto a Bolsonaro, que aparecia com 18,3% na última edição da pesquisa, divulgada em agosto.

O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, é o quarto colocado na pesquisa, com 6,1% das intenções de voto, e aparece tecnicamente empatado com Marina Silva (Rede), que tem 4,1%.

Em seguida, aparece João Amoêdo (Novo), com 2,8%, seguido por Alvaro Dias (Podemos), com 1,9%, Henrique Meirelles (MDB), com 1,7%, Cabo Daciolo (Patriota) e Guilherme Boulos (PSOL), ambos com 0,4% e Vera (PSTU), com 0,3%. Eymael (DC) e João Goulart Filho (PPL) não pontuaram.
Brancos e nulos somam 13,4%. Outros 12,3% declararam-se indecisos.

Nas simulações para o segundo turno entre Bolsonaro e Haddad, o candidato do PSL aparece com 37,8% das intenções de voto, contra 35,7% do petista. Se o confronto ocorrer entre Bolsonaro e Ciro Gomes, a pesquisa indica 37,8% dos votos para Ciro, contra 36,1% do militar reformado.

Contra Geraldo Alckmin, Bolsonaro aparece com 38,2%, enquanto o tucano tem 27,7%. Em cenário que coloca Marina Silva no segundo turno, Bolsonaro lidera com 39,4%, enquanto a ex-ministra tem 28,2%. Em cenário que coloca Ciro e Haddad frente a frente, o primeiro aparece com 38,1%, enquanto o petista pontua com 26,1%.

A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais, com 95% de nível de confiança. A pesquisa foi realizada com 2002 entrevistados em 137 municípios, entre os dias 12 e 15 de setembro, e foi registrada


Diversas atrizes que trabalham na Rede Globo foram às redes sociais manifestar posicionamento contrário ao candidato a presidente da República pelo PSL, Jair Bolsonaro.

Com o uso da hastag #EleNão, em referência ao candidato, artistas como Fernanda Paes Leme e Camila Pitanga fizeram publicações contra o presidenciável e se tornaram alvo de ferrenhas críticas de internautas.

Fernanda Paes Leme, por exemplo, foi chamada de “desinformada” por uma seguidora. Outra internauta foi mais longe no discurso: “Vocês globais, que têm dinheiro para sair do Brasil quando o circo pegar fogo, podem votar em quem vocês quiserem, não vai adiantar, pois a maioria são (sic) os mais prejudicados e precisam mais que apenas apoiar o gay. A sociedade está cansada de ser assaltada no caminho de casa, ao sair do trabalho. Tenho amigo gay, os apoio, mas mudar o Brasil é necessario”.

“Amo ela como artista e sempre fui fã! Mas essa apelação, não dá. Deixando de seguir”, disse um seguidor.

Um seguidor quis saber, então, quem seria o candidato ideal para presidente. “Ele não? Então, quem, Lula? Se o PT tivesse realmente tirado o povo da pobreza, o Ciro não precisava tirar 63 milhões do SPC”, apontou.

A atriz Camila Pitanga viu sua publicação contra Bolsonaro ser invadida por centenas de comentários em favor do candidato. Confira a seguir:


O candidato a presidente da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, teve crescimento nas intenções de votos depois do atentado sofrido em Juiz de Fora, conforme aponta a pesquisa do instituto FSB, contratada pelo banco BTG Pactual.

No estudo divulgado dia 10 de setembro, o candidato tinha 30%. Nesta segunda-feira (17), a pesquisa divulgada pelo FSB mostra que o presidenciável foi a 33%.

Segundo publicação do site O Antagonista, o levantamento também mostra crescimento do candidato Fernando Haddad (PT), que foi oficializado na disputa no dia 11. O ex-prefeito de São Paulo tinha 8% e disputava o terceiro lugar com Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB). Agora, Haddad tem 16% e ocupa o segundo lugar.

O crescimento do petista derrubou o candidato Ciro Gomes (PDT) do posto de segundo colocado. O pedetista tinha 12% antes, nesta recente pesquisa ele aparece com 14%.

Veja os demais dados:


As apostas são altas de que nesta segunda-feira (17), o deputado federal Cabo Daciolo (Patri-RJ) anuncie a retirada da sua candidatura ao Planalto para tentar se reeleger na Câmara Federal.

Além de o partido não ter doado um centavo sequer para sua campanha presidencial, conforme afirma a coluna Expresso, da Época, contou muito o fato de ele não alcançar nem 5% das intenções de voto. Daciolo não passa de 1%. O conselho teria partido do próprio  presidente da sigla, Adilson Barroso


A nova pesquisa CUT/Vox Populi aponta o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) com 22% das intenções de votos quando associado diretamente a Lula, ultrapassando Jair Bolsonaro (PSL), que tem 18%.

Em terceiro lugar está Ciro Gomes (PDT), com 10%, seguido por Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), com 5% e 4%, respectivamente. Brancos e nulos somam 21%. Em julho, o mesmo instituto apontou Haddad com 12% e Bolsonaro com 16%.


Após ter sido recebido pelos baianos em Salvador, no mês de agosto, durante a Caminhada da Liberdade, o ex-ministro da Educação no governo Lula e agora candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, voltará à Bahia, neste sábado (15), acompanhado mais uma vez do candidato ao Governo da Bahia pelo PT, Rui Costa, para uma grande caminhada no interior do Estado.

A “Correria pela Bahia”, que contará também com a presença da candidata a vice-presidência, Manuela D’Ávila (PCdoB), e da coligação “Mais Trabalho por Toda a Bahia”, formada também pelos candidatos a vice-governador, João Leão (PP), e a senador, Jaques Wagner (PT) e Angelo Coronel (PSD), vai passar por Vitória da Conquista, às 9h, e Jequié, às 11h30. A ida de Rui às cidades de Planalto e Poções foi suspensa neste dia.

No período da tarde, a partir das 16h, apenas Rui e a comitiva baiana vão seguir em caminhada para Manoel Vitorino, dando sequência a outras viagens pelo interior, que se encerra no domingo (16), em Jitaúna, Aiquara, Ipiaú, Barra do Rocha, Ubatã, Ubaitaba e Aurelino Leal.

Na sexta (14), Rui já terá passado por Guanambi, Caetité, Rio do Antônio, Brumado, Aracatu e Anagé, completando 16 cidades previstas para a semana. Até o final do período eleitoral, a comitiva pretende visitar 120 municípios.


O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) foi oficializado, nesta terça-feira (11), em Curitiba, candidato a presidente da República. Ele substitui Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que teve a candidatura barrada por 6 votos a 1 no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A deputada estadual Manuela D’Ávila (PC do B-RS) foi definida como candidata a vice na coligação O Povo Feliz de Novo (PT, PC do B e Pros).

A Executiva Nacional do PT se reuniu na capital paranaense na manhã de hoje e aprovou a indicação de Haddad e Manuela para a chapa. A informação foi confirmada pelo líder da oposição na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), membro da executiva nacional petista.

Também nesta terça está programado um ato na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde Lula está preso. Na ocasião será lida uma carta escrita pelo ex-presidente.

Haddad e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann cancelaram participação de um ato em São Paulo, nesta segunda-feira (10) para fazer os preparativos da substituição na capital paranaense.

Lula está fora por causa da Lei da Ficha Limpa, que impede candidaturas de quem já foi condenado em duas Instâncias da Justiça.

O ex-presidente foi condenado pelo TRF-4 (Tribunal Superior Eleitoral da 4ª Região), pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Cumpre a sentença em regime fechado desde abril em Curitiba.

O prazo para substituição dado pelo Tribunal era até as 17 horas de hoje. Apesar do partido ter entrado com recurso no STF (Supremo Tribunal Federal) para adiar a data limite para o dia 17 de setembro, dirigentes da sigla preferiram fazer a substituição dentro do prazo dado pelo TSE.

No dia 5 de agosto, em São Paulo, o PT definiu Lula como candidato a presidente e Haddad como vice. Participaram as presidentes do PT, Gleisi Hoffmann, e do PC do B, Luciana Santos, além de Haddad e Manuela D’ávila, que abriu mão de sua candidatura presidencial para apoiar o PT.

Durante o anúncio já foi apresentada a estratégia de Haddad entrar na cabeça de chapa em caso de indeferimento pelo TSE e a de Manuela assumir o posto de vice.

O candidato ao Senado Jaques Wagner (PT-BA) declarou durante entrevista à Rádio Sociedade, da Bahia, que Haddad já era visto como candidato antes da oficialização da troca. “A gente estava divulgando que ele [Haddad] era o vice, mas o povo de certa forma já percebia que era isso [Haddad candidato a presidente]”.

Wagner também era cotado para substituir Lula, mas ele preferiu disputar o Senado.


A pesquisa Datafolha mostrou que os candidatos ao Palácio do Planalto pouco oscilaram após o atentado contra Jair Bolsonaro (PSL). O deputado aparece com 24% (antes tinha 22%). Ciro Gomes aparece logo em seguida, com 13%. O levantamento foi divulgado pela TV Globo na noite desta segunda-feira (10). A margem de erro é de 2%, para mais ou para menos.

Veja os números:

Jair Bolsonaro (PSL): 24%
Ciro Gomes (PDT): 13%
Marina Silva (Rede): 11%
Geraldo Alckmin (PSDB): 10%
Fernando Haddad (PT): 9%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
João Amoêdo (Novo): 3%
Henrique Meirelles (MDB): 3%
Guilherme Boulos (PSOL): 1%
Vera (PSTU): 1%
Cabo Daciolo (Patriota): 1%
João Goulart Filho (PPL): 0%
Eymael (DC): 0%
Branco/nulos: 15%
Não sabe/não respondeu: 7%

Rejeição

Bolsonaro: 43%
Marina: 29%
Alckmin: 24%
Haddad: 22%
Ciro: 20%
Cabo Daciolo: 19%
Vera: 19%
Eymael: 18%
Boulos: 17%
Meirelles: 17%
João Goulart Filho: 15%
Amoêdo: 15%
Alvaro Dias: 14%
Rejeita todos/não votaria em nenhum: 5%
Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 2%
Não sabe: 6%

Simulações de segundo turno

Marina 43% x 37% Bolsonaro (branco/nulo: 18%; não sabe: 2%)
Ciro 39% x 35% Alckmin (branco/nulo: 23%; não sabe: 3%)
Alckmin 43% x 34% Bolsonaro (branco/nulo: 20%; não sabe: 3%)
Marina 38% x 37% Alckmin (branco/nulo: 23%; não sabe: 2%)
Ciro 45% x 35% Bolsonaro (branco/nulo: 17%; não sabe: 3%)
Alckmin 43% x 29% Haddad (branco/nulo: 25%; não sabe: 3%)
Haddad 39% x 38% Bolsonaro (branco/nulo: 20%; não sabe: 3%)
Ciro 41% x 35% Marina (branco/nulo: 22%; não sabe: 2%)
Marina 42% x 31% Haddad (branco/nulo: 25%; não sabe: 3%)

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Foram entrevistados  2.804 eleitores em 197 municípios, nesta segunda-feira. O levantamento foi registrado no TSE sob número BR 02376/2018.