Após ser derrotado nas urnas, a foto do ex-prefeito da cidade de São Paulo Fernando Haddad vira meme nas redes sociais e nos aplicativos.

São vários memes que estão sendo veiculado na internet com a foto do ex-prefeito e candidato.


O ex-presidente do STF (Superior Tribunal Federal) Joaquim Barbosa usou sua conta no Twitter neste sábado (27) para declarar o voto no candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad.

“Votar é fazer uma escolha racional. Eu, por exemplo, sopesei os aspectos positivos e os negativos dos dois candidatos que restam na disputa. Pela primeira vez em 32 anos de exercício do direito de voto, um candidato me inspira medo. Por isso, votarei em Fernando Haddad.”


O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, lidera a corrida eleitoral no Estado de São Paulo. Os dados são de levantamento do Paraná Pesquisas divulgado nesta quinta-feira (25). O militar tem 68,4% dos votos válidos, enquanto o adversário Fernando Haddad (PT) está com 31,6%. Quando se fala em votos válidos, não são considerados os votos brancos, nulos e indecisos.

No cenário em que são computadas as intenções de votos totais, Bolsonaro tem 59,4% e Haddad 27,4%. Brancos, nulos e indecisos somam 13,2%.

A pesquisa mediu ainda o potencial eleitoral dos candidatos. Os eleitores de Bolsonaro se mostram mais decididos sobre seu voto do que os eleitores de Haddad desde o início do mês. Na pesquisa mais recente o militar aparece com 51,4% de certeza, o petista tem apenas 23,7%.

Apesar de a rejeição de Haddad ter caído em relação à pesquisa divulgada em 22 de outubro, o percentual ainda é duas vezes maior do que o de Bolsonaro. Ao serem questionados sobre sua escolha no levantamento do início da semana, 63,2% afirmaram que não votariam em Haddad de jeito nenhum. O número oscilou para 61,8%. Já a rejeição do militar foi de 33,1% para 33,3%.

A pesquisa foi realizada de 22 a 24 de outubro de 2018, em 87 municípios de São Paulo. O estudo entrevistou 2.004 pessoas. A margem de erro é de 2,0 p.p e o índice de confiança é de 95%. O registro no TSE é BR-04858/2018.


A nova rodada da pesquisa CUT/Vox Populi aponta crescimento das intenções de voto no candidato Fernando Haddad (PT) e queda de Jair Bolsonaro (PSL). Na simulação estimulada, quando o entrevistador apresenta os nomes dos candidatos, Bolsonaro aparece com 44% das intenções de votos contra 39% de Haddad.

A diferença entre os dois candidatos caiu para 5%. Se for considerada a margem de erro da pesquisa, que é de 2,2%, a diferença entre as intenções de voto em Haddad e Bolsonaro pode chegar a 1 ponto percentual (2,2% a menos para Bolsonaro e 2,2% a mais para Haddad).

A pesquisa mostra também que 17% dos eleitores ainda estão indecisos. Desse total, 12% disseram que não vão votar em ninguém, vão votar em branco ou anular os votos. Outros 5% não sabem ou não quiseram responder. Os percentuais são iguais aos da pesquisa anterior.

Os percentuais de votos válidos, excluídos os brancos, nulos, ninguém ou não sabem ou não responderam, também são idênticos aos da pesquisa anterior: 53% para Bolsonaro e 47% para Haddad.

A simulação espontânea, quando o entrevistador apenas pergunta em quem o eleitor vai votar, aponta Bolsonaro com 43% das intenções de votos contra 37% de Haddad, os mesmos percentuais do levantamento realizado nos dias 16 e 17.

Neste cenário, 13% disseram que não votarão em ninguém, votarão em branco ou anularão o voto e 7% não sabem ou não responderam. Na pesquisa anterior, os percentuais eram de 12% e 8%, respectivamente.


A pesquisa BTG Pactual/FSB, divulgada na madrugada desta segunda-feira (22) mostra uma larga diferença de 20 pontos entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).
No cenário de votos estimulado, levando em conta apenas os votos válidos (excluindo brancos, nulos e abstenções), Bolsonaro tem 60% dos votos, oscilando um ponto para cima ante a pesquisa da última semana, enquanto Haddad passou de 41% para 40% das intenções de voto em uma semana. Ao considerar os votos totais, o candidato do PSL possui 52% dos votos ante 51% da última semana, ante 35% do petista, que manteve a intenção de voto. 4% pretendem votar branco/nulo, 5% em ninguém/nenhum deles e 4% não sabem ou não responderam.

Na intenção de voto espontânea, 48% apontaram votar em Bolsonaro (ante 49% do último levantamento) e 31% em Haddad (ante 30% da última pesquisa). Brancos e nulos somaram 6%, ninguém ou nenhum totalizaram 5%, enquanto não souberam ou não responderam totalizaram 11%.

A decisão de voto dos eleitores de Bolsonaro também é a maior, mantendo-se em 94%, ante 90% dos que votarão em Haddad, enquanto 74% dos que disseram que não votarão em ninguém estão certos do voto. Já 70% dos que apontaram que vão votar em branco/nulo mostraram certeza do seu voto.

Haddad registra a maior rejeição, com 52% dos entrevistados dizendo que não votaria no petista de jeito nenhum, ante 40% de Bolsonaro. 47% disseram que votariam apenas em Bolsonaro, enquanto 2% apontaram votar no candidato do PSL e desconhecer Haddad. Já 32% votariam apenas em Haddad e 3% poderiam votar no petista e desconhecem Bolsonaro. 5% poderiam votar em ambos os candidatos, 4% não votariam em nenhum deles e 3% desconhecem os dois nomes.

Os eleitores também foram questionados dos motivos para votar nos candidatos. 85% dos que votarão em Bolsonaro apontam achar que ele é a melhor opção, ante 75% dos que votarão em Haddad. 10% dos ouvidos que votarão em Bolsonaro querem impedir a vitória do outro candidato, ante 18% dos que votarão em Haddad. 6% dos eleitores de Bolsonaro não souberam/não responderam, ante 9% dos eleitores do petista.

Independentemente do voto, 76% dos eleitores acham que Bolsonaro será o próximo presidente do Brasil (o número era de 70% na última semana), ante 17% que acham que será Haddad, enquanto 7% não sabem ou não responderam.

81% dos eleitores disseram que com certeza irão votar, 10% provavelmente irão votar, 3% provavelmente não irão votar e 5% com certeza não irão votar. 1% não sabe ou não respondeu.

Foram entrevistados, por telefone, 2.000 eleitores com idade a partir de 16 anos e a margem de erro é de 2 pontos percentuais. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-03689/2018.


A nove dias da eleição, pesquisa encomendada pela XP Investimentos ao Ipespe, divulgada nesta sexta-feira (19), mostra que Jair Bolsonaro (PSL) tem 58% dos votos válidos contra 42% de Fernando Haddad (PT).

Ambos oscilaram dentro da margem de erro em relação ao levantamento da última semana. Considerando todos os votos, Bolsonaro aparece com 51% ante Haddad (37%).

A pesquisa com registro BR-05349/2018 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ouviu 2 mil pessoas e tem margem de erro de 2,2%.


Eescândalo envolvendo a compra de disparos por WhatsApp por parte da campanha do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) está dando o que falar. Segundo juristas, o caso denunciado pelo jornal Folha de São Paulo pode resultar na cassação do postulante se ficar comprovado.
As encomendas de mensagens poderão ser consideradas como doações não contabilizadas, o que se assemelha ao caixa 2 de campanha. Além disso, essas doações são feitas por empresas – o que é proibido.
“A lei eleitoral diz que o beneficiado responde. Ele pode sofrer as consequências da lei”, avaliou o advogado especialista em direito eleitoral Ademir Ismerim, em entrevista ao programa “Se Liga Bocão”, da Itapoan FM, na noite desta quinta-feira (18).
Segundo a reportagem do jornal, cada empresa pagava até R$ 12 milhões por contrato com as agências de disparo de mensagens. Por lei, os candidatos à Presidência só podem gastar R$ 70 milhões na campanha.
O presidenciável Fernando Haddad (PT) decidiu ir à Justiça pedir a impugnação da candidatura do rival – juntamente com o ex-candidato Ciro Gomes (PDT). Bolsonaro, por sua vez, nega as acusações.
“Eu não tenho controle se tem empresário simpático a mim fazendo isso. Eu sei que fere a legislação. Mas eu não tenho controle, não tenho como saber e tomar providência”, afirmou o candidato do PSL.